As construções discursivas do trabalho do imigrante em Amar, verbo intransitivo, um idílio, de Mário de Andrade


Abstract


Este artigo analisa as construções discursivas do universo do trabalho do imigrante, em Amar, Verbo intransitivo de Mario de Andrade. A abordagem se vale das reflexões de Marx (1986), Engels (1990), Lukács (1980) e Antunes (1990), advindas da Sociologia do trabalho e de Candido (1981, 1985), Bosi (1992) e Bakhtin/Voloshinov (1986) na linha sociológico-literária, procurando ver como o discurso literário andradiano constrói uma certa identidade para o trabalhador estrangeiro no Brasil. Focalizando-se, mormente, Elza, a personagem governanta alemã, percebeu-se que há mudanças significativas na recriação do universo laboral brasileiro do início do século XX, sendo o trabalho fonte de status e sociabilidade, revelando relações mercantis e impessoais, dentro de chave liberal-burguesa, sendo também metáfora para as novas configurações laborais e de identidade nacional no período da Primeira República.

Keywords: Literatura Brasileira; Romance; Universo do Trabalho; Análise Dialógica do Discurso; Mario de Andrade

Full Text: PDF

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribuzione - Non commerciale - Non opere derivate 3.0 Italia License.